IX Match Ibérico de Pitch & Putt

POTUGAL NÃO CONSEGUIU REVIRAVOLTA ESPANHOLA

Seleção nacional deu boa réplica nos campos nortenhos da Quinta do Fojo e do Citygolf mas acaba por perder para a sua homóloga espanhola, que esteve muito forte nos jogos de singulares vencendo por 7-5

Espanha manteve hoje a posse do troféu no Match Ibérico de Pitch & Putt, derrotando Portugal por 7-5, no cômputo das 12 partidas realizadas este fim-de-semana na Quinta do Fojo, em Vila Nova de Gaia, e no Citygolf, Porto. 

Depois de ter terminado os seis encontros de pares de sábado (3 em fourball, 3 em foursomes), na Quinta do Fojo, a comandar com um ponto de vantagem (3,5-2,5), o sexteto português perdeu este domingo por 1,5-4,5 nos seis singles realizados no Citygolf. 

Ficou assim adiada a terceira vitória de Portugal, vencedor em 2014 e 2016. Espanha vencera a edição anterior, em 2017, em Madrid, por 9-3. 

“Virámos quase todos em vantagem para a segunda metade da volta, mas fomo-nos abaixo nos segundos nove buracos”, explicou Arnaldo Paredes, vice-capitão e jogador, sobre a sessão de singles. “Foi o stress competitivo. Por causa do nervosismo, do querer ganhar, os erros acumularam-se e as coisas acabaram por não nos correr de feição.” 

Os únicos que não perderam nas partidas de singulares foram o internacional português João Maria Pontes e o campeão nacional da especialidade Luís Azenha Bonito. O primeiro bateu Juan Soler por 2/1 no último jogo do dia, o segundo empatou com José Angel Perez no quarto jogo. 

Nos outros encontros, Rui Maia perdeu para Jesus Casajus por 4/2, João Monteiro para Raul Toca, por 7/6, Arnaldo Paredes para Tomy Artigas por 3/2 e Hugo Espírito Santo para Jaime Herrera também por 3/2. 

“Correu bem no primeiro dia, no segundo, infelizmente, não conseguimos segurar a vantagem que tínhamos” afirmou o capitão português, António Vasconcelos. “Bastava-nos ganhar três jogos – e ganhámos só um. Os espanhóis são muito fortes e, como é lógico, em Espanha o pitch & putt está muito desenvolvido, enquanto em Portugal está numa fase de reorganização.” 

Arnaldo Paredes concorda: “Acabou por vencer quem tem mais experiência de jogo – os espanhóis são jogadores de outra ordem, assim como nós também contávamos, neste particular, com o João Maria Pontes. Mas correu bem, o espírito de camaradagem mantém-se e é sempre uma festa quando nos reunimos – costumamos dizer que no pitch & putt somos todos uma família.” 

Press-Release
Gabinete de Imprensa da FPG
10 de Março 2019

Voltar

 


 

Sites


 





 



Revised: 10-03-2019 .