7º Açores Ladies Open

JOANA DE SÁ PEREIRA COM PRIMEIRO TOP-10, SUSANA RIBEIRO TOP-15

 

Joana de Sá Pereira igualou o recorde nacional que já lhe pertencia da melhor classificação de sempre de uma portuguesa em torneios do Ladies European Tour Access Series, a segunda divisão europeia, ao concluir hoje (Domingo) o Açores Ladies Open no grupo das 7ª classificadas. 

A portuguesa residente em França, que brilhou hoje com 1 eagle no buraco 8 (Par-5), completou a última volta em 73 pancadas, 1 acima do Par do campo do Clube de Golfe da Ilha Terceira, numa terceira jornada mais difícil, com mais vento, mais frio e mais chuva. Nos dias anteriores tinha devolvido cartões de 75 e 70, pelo que totalizou 218, 2 acima do Par, recebendo um prémio de 1.13267 euros.

«No início da semana o meu objetivo era fazer um top-10 ou um top-5. Fazer um top-7 não é nada mau. O vento de hoje tornou as coisas um pouquinho mais difíceis, fiz 2 bogeys provocados por ter-me enganado nos tacos, culpa minha. Hoje foi uma montanha russa completa, estava com -1 no buraco 14 e depois fiz 2 bogeys nos buracos 15 e 16. Mas 2017 está a começar muito bem», congratulou-se a jogadora do Old Course Cannes Mandelieu e Royal Mougins, que já tinha sido 7ª classificada em Hamburgo, em 2017, pouco tempo depois de ter-se tornado profissional. 

Joana de Sá Pereira e Susana Ribeiro tinham feito ontem (Sábado) um recorde nacional, ao passarem ambas o cut, e Susana Ribeiro tentava hoje repetir o top-10 alcançado neste torneio no ano passado em São Miguel. 

Não conseguiu porque teve um mau início de última volta e após quatro buracos ia com 4 acima do Par, mas depois mostrou-se forte mentalmente e terminou com um cartão de 76 (+4). Tinha feito 71 no primeiro dia e 75 no segundo, pelo que totalizou 222 (+6), no grupo das 15ª classificadas, embolsando 729 euros. 

É normal que a bicampeã nacional de profissionais sinta que poderia fazer melhor, pois começou no 7º lugar, desceu para 13ª e terminou no 15º posto, mas há muito de positivo a retirar desta semana, a começar pelo facto de ter passado o cut em três dos últimos quatro torneios que disputou no LETAS (no final do ano passado e agora logo neste primeiro torneio de 2017). 

«Dei o meu máximo, de uma forma geral fiquei contente com a minha prestação, mas foi pena hoje ter começado tão mal. Fiz 3 putts no buraco 1, depois fiz 1 duplo-bogey no buraco 3, logo a seguir fiz 1 mau bogey, portanto, as coisas estavam um pouco tremidas. No buraco 5 fiz um bom Par com um putt comprido e a seguir consegui logo 1 birdie, o que deu-me um bocadinho de ânimo. A partir daí andei a correr atrás do prejuízo e não estava habituada a isso esta semana», disse a profissional do Guardian Bom Sucesso Golfe, que acrescentou: «Esta semana foi um bom teste e tirei nota positiva». 

O 7º Açores Ladies Open consagrou como campeã a inglesa Meghan Maclaren, de 22 anos, com um resultado agregado de 214 pancadas, 2 abaixo do Par, após voltas de 70, 70 e 74, que lhe valeram um prémio monetário de 5.600 euros, o mais elevado de sempre de uma vencedora nesta prova. 

Foi o segundo título da filha de David MacLaren – diretor executivo do European Seniors Tour – em torneios do LETAS, mas o primeiro como profissional, uma vez que no ano passado, quando se impôs em Saragoça, era ainda amadora. É, aliás, impressionante que Meghan tenha já dois títulos LETAS em apenas quatro torneios disputados, ela que foi uma estrela do golfe universitário norte-americano, colecionando oito títulos. Parece predestinada para uma bela carreira, já tem cartão para jogar algumas provas da primeira divisão europeia, o LET, e com a vitória de hoje apoderou-se do posto de nº1 da Ordem de Mérito (ranking) do LETAS de 2017. 

Líder desde a primeira volta, Meghan MacLaren perdeu o comando durante parte desta última jornada para a francesa Eva Gilly. Um final de torneio emocionante, com as duas jogadoras a chegarem empatadas ao buraco 16, mas Gilly fez 1 duplo-bogey no 16, enquanto MacLaren fechou com bogey-birdie-Par nos últimos três buracos. Hoje só houve duas voltas abaixo do Par, ambas de 71 (-1), uma delas da galesa Chloe Williams, que terminou empatada no 2º lugar com Gilly com 216 (Par). 

Na cerimónia de entrega de prémios, estiveram presentesFilipe Macedo, diretor regional de Turismo; Diana Valadão, das Ilhas de Valor; Ana Cabral Rodrigues, do Grupo SATA; Carlos Raulino, presidente do Clube de Golfe da Ilha Terceira; Melissa Eccles, diretora de torneios do LETAS; e José Carmona Santos, promotor, da Stream Plan.

 

Noticias Anteriores:
Duas portuguesas passam o cut
Portuguesas iniciam época com ambição

 

Reportagem 2016
Reportagem 2015

Press-release
Stream Plan
24 de Abril de 2017

Voltar

 


 

Sites


 






 



Revised: 24-04-2017 .